Igreja de Nossa Senhora de Belém – Santuário Santo Antônio de Sant’Anna Galvão

Com mais de 300 anos de história, a Igreja de Nossa Senhora de Belém, hoje reconhecida como Santuário Santo Antônio de Sant’Anna Galvão em homenagem ao primeiro santo brasileiro que estudou no Seminário de Belém, criado e mantido pela Ordem dos Jesuítas, é uma das construções mais antigas de Cachoeira. Está situado na Vila de Belém, distante 6km da sede do município.

Histórico:

 

A Vila de Belém foi fundada pelos padres jesuítas que chegaram nas primeiras expedições colonizadoras neste território, com o principal objetivo de converter a população nativa ao Catolicismo. Ao fazerem uma expedição pelas terras mais afastadas do rio, encontraram uma fonte de água potável e resolveram fixar-se por ali, onde antes estava uma povoação indígena. Em 1686, o padre português Alexandre de Gusmão resolveu fundar o Seminário de Belém. No entanto, os primeiros alicerces só foram lançados em 13 de abril de 1687 e as obras foram concluídas somente em 1707.

 

O local foi destinado, apesar do nome sugerir a formação de padres, à educação infanto-juvenil. Historiadores apontam que, de 1686 a 1759, cerca de 700 jovens de 11 a 17 anos de famílias abastadas estudaram lá. Os seminaristas também desenvolviam estudos de outras áreas e experimentos científicos. Um deles foi Bartholomeu Lourenço de Gusmão, sobrinho do padre Alexandre de Gusmão, que, segundo a pesquisadora Roseane Neves, inventou e construiu a “passarinhola”, “considerado o primeiro balão a ser construído no mundo, por volta de 1709. O aparelho foi testado pelo seu inventor na área em frente à Igreja e, segundo historiadores, se elevou a uma altura de 60m”.

 

Mas, sem dúvida, a figura mais ilustre a passar pelo Seminário de Belém foi Antônio de Sant’Anna Galvão, o Frei Galvão, primeiro santo brasileiro a ser canonizado pela Igreja Católica. Ele ingressou aos 13 anos no Seminário. Assim que terminou os estudos, como não pôde entrar para a Companhia de Jesus, foi encaminhado ao Convento de São Boaventura de Macacu (RJ) dos frades franciscanos no ano de 1760. De acordo com a pesquisa de Roseane Neves, “Frei Galvão foi ordenado sacerdote em 11 de julho de 1762 e destinado ao Convento de São Francisco na cidade de São Paulo, para estudar filosofia e teologia, onde exerceu seu ministério como sacerdote, pregador, confessor e também porteiro”.

 

Em 1774, fundou o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Luz Divina Providência (Mosteiro da Luz) na cidade de São Paulo. Lá, atendeu e aconselhou muitas pessoas que o procuravam em momentos de aflição. A cada uma, ele entregava uma “pílula” com versículos de orações. Muita gente passou então a relatar os milagres que aconteciam depois da ingestão dessas pílulas, e a fama de Frei Galvão se espalhou. Por conta dessa fé, que se mantém ainda hoje, Santo Antônio de Sant’Anna Galvão foi canonizado em 11 de maio de 2007 pelo Papa Bento XVI.

 

A partir daí, o Seminário de Belém, do qual só restou a Igreja de Nossa Senhora de Belém, foi elevada a Santuário Arquidiocesano Santo Antônio de SantAnna Galvão, a partir do decreto nº005/07, assinado em 20 de julho de 2007 pelo Cardeal Arcebispo de São Salvador da Bahia, Dom Geraldo Majella Agnelo. A mudança proporcionou a revitalização das atividades religiosas no local, com missas e caminhadas, sendo a mais importante delas a caminhada “Nos passos de Frei Galvão”, sempre no mês de outubro, quando os devotos refazem o trajeto de aproximadamente 13km que o seminarista fez em 1752, saindo do porto da Cachoeira até o Seminário de Belém.

 

Quem vai ao local também pode conhecer o Memorial Bartholomeu Lourenço de Gusmão em homenagem àquele que ficou conhecido como “o padre voador” devido às suas invenções. O espaço foi idealizado pelo professor da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, Adinoel Maia e inaugurado em 5 de agosto de 2009.

 

 

Referências:

 

NEVES, Roseane Araújo. Patrimônio e Comunidade: Estudo de público na Igreja do antigo Seminário de Belém – Cachoeira – BA. 2012. 94f.  (Bacharelado em Museologia). Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cachoeira, 2012.

 

https://www.diocesedecruzdasalmas.com.br/santuario-frei-galvao

 

© 2020 Cachoeira Patrimônio e Memória

Desenvolvido por VINICIUSCASTRO